Sr. Daniels, de Brittainy C. Cherry

Oi gente!
Pra variar um pouco, vamos falar de amor?
Pois é… Acho que faz um tempinho que não faço uma resenha de um livro mais levinho pra vocês, né?! Preciso parar com essa mania de ficar lendo coisas tensas que me deixam numa baita ressaca literária e intercalar mais os gêneros das minhas leituras.

Bom, apesar de ter dito que era um livro mais leve por conta de todo o romance, ainda assim está longe de ser superficial. Em seu primeiro romance publicado aqui no Brasil, pela Record, a autora Brittainy C. Cherry me cativou muito, em vários aspectos.

Autor: Brittainy C. Cherry
Editora: Record

Sinopse: Depois de perder a irmã gêmea para a leucemia, Ashlyn Jennings vê sua vida mudar completamente. Além de ter de aprender a conviver sem parte de si mesma, ela precisa se adaptar a uma nova rotina. Enviada pela mãe para a casa do pai, com quem mal conviveu até então, ela viaja de trem para Edgewood, Wisconsin, carregando poucos pertences, muitas lembranças e uma caixa misteriosa deixada pela irmã.
Na estação de trem Ashlyn conhece o músico Daniel, um rapaz lindo e gentil, e a atração é imediata. Os dois compartilham não só o amor pela música e por William Shakespeare mas também a dor provocada por perdas irreparáveis. Ao sentir-se esperançosa quanto a sua nova vida, Ashlyn começa o ano letivo na escola onde o pai é diretor. E não consegue acreditar quando descobre, no primeiro dia de aula, que Daniel, o belo músico de olhos azuis com quem já está completamente envolvida, é o Sr. Daniels, seu professor de inglês.
Desorientados, eles precisam manter seu amor em segredo, e são forçados a se ver como dois desconhecidos na escola. E, como se isso já não fosse difícil o bastante, eles ainda precisam tentar de todas as formas superar os antigos problemas e sobreviver a novos e inesperados conflitos.

 
Ashlyn enfrenta pela dor de ter perdido sua irmã gêmea para um câncer e está passando por um momento delicado na relação com sua mãe após essa perda. Totalmente a contragosto muda de cidade para morar com o pai, sempre ausente na vida das filhas, e que agora tem uma nova família. Ela é jovem, bonita, apaixonada pelos livros e principalmente por Shakespeare.
Daniel é um jovem que também está encarando fantasmas da perda: de sua mãs e, mais recentemente de seu pai. Também existe uma relação difícil entre ele e seu irmão. Ele é jovem, músico, bonito, professor de inglês e apaixonado por Shakespeare.
Logo de início Daniel e Ashlyn se cruzam ocasionalmente na estação de trem e, com um simples olhar, os dois se conectam. Ao passar da história descobrem ter muito em comum além de uma simples atração pelos olhos e beleza um do outro, os dois são fascinados nas obras de Shakespeare. Essa é a boa surpresa que a vida lhes reservou. A parte ruim é que, pouco depois dessa paixão toda acontecer eles descobrem que nada será tão fácil, pois Daniel é na verdade o Sr. Daniel, professor de inglês de Ashlyn no colégio. Vida difícil para o amor, né?!
Com esses encontros e desencontros a autora nos envolve nessa linda história de amor, dor, conquista e perda. É um misto de sentimentos.
A história é narrada ora pela perspectiva de Ashlyn, ora por Daniel, mas não necessariamente em capítulos alternados e não são repetidos pontos de vista de uma mesma situação. Independente do ponto de vista da narrativa, os capítulos são sequenciais e essa maneira de contar a história deu uma dinâmica incrível e acho que me fez conhecer bem aos dois protagonistas. Adorei!
A personalidade destes personagens principais é bem construída nos permitindo enxergar bem os dilemas pelos quais estão enfrentando ao viver essa paixão, de certa forma, proibida. – é aquela coisa de pessoa certa, mas na hora errada, sabe?
Ainda falando em personagens, outro ponto bem positivo da leitura é a construção dos personagens secundários. Eles não chegam a roubar a cena, mas em diversos momentos são tão fortes quanto os protagonistas. São muito bem desenvolvidos e têm uma personalidade muito bem trabalhada, principalmente Ryan e Gaby (a gêmea falecida de Ashlyn).
Falando em Gaby, não posso deixar de mencionar que, logo no início, Ash recebe uma caixa deixada pela irmã. Ali dentro havia uma lista, e para cada item que fosse realizado pela irmã, Gaby deixou uma carta – endereçada para Ashlyn ou outras pessoas. Isso foi muito interessante – bem doído pensar em uma irmã fazendo isso para outra, prevendo a própria morte se aproximando -, mas em algum momento no meio do livro, a lista se perdeu…. ficou esquecida de lado. E esse pra mim foi um grande ponto negativo de Sr. Daniels. 
Shakespeare é trazido à tona o tempo todo, seja em frases e provocações entre Ashlyn e Daniel; ou nas letras das músicas da banda de Daniel, a Romeo’s Quest; ou até mesmo no joguinho caliente entre o casal, a gente vê claramente a inspiração da autora em suas obras.
Pode parecer um outro livro de romance proibido qualquer, como vários que a gente lê por aí, mas apesar de em diversos momentos ter me deparado comparando a leitura de Sr. Daniels com Métrica, da Colleen Hoover, eu consegui notar várias semelhanças principalmente nos comportamentos dos protagonistas – acho que até mesmo pela situação professor/aluna -, mas também, para mim, a maior diferença foi a intensidade, profundidade e relevância dos assuntos trabalhados por Brittany em seu livro.

É um excelente livro para os leitores que gostam de YA, mas também um livro que recomendo a quem um dia quiser se arriscar no gênero.

Espero que tenham gostado e quem já leu, quero saber a opinião.
Esse livro havia sido muito bem recomendado pela Crika, que sempre visita o blog e também algumas pessoas já tinham confessado sua paixão por Daniel Daniels.
Até a próxima.
*.*

 

Comentários

Comentários

2 Comments