TAG Desnecessário

Oi, gente.

Vamos dar uma reaquecida nos motores do blog? É pra já…

E como faz tempo que eu não apareço por aqui, vamos começar com algo leve, para descontrair um pouco. Vamos de TAG?

Faz um bom tempo que vi essa lá no blog da Tami, o Meu Epílogo, e com certeza além de boas, algumas opiniões dela batem bastante com as minhas.

Vamos lá?

Totalmente desnecessário ter uma continuação.

Acho que não preciso fazer muitos comentários, mas quem quiser se aprofundar na minha opinião sobre o quão desnecessário é essa continuação, pode dar uma olhadinha na resenha.

Leia a resenha de Depois de Você, de Jojo Moyes.

 

Totalmente desnecessário ter mais de um ponto de vista.

Sinceramente, na minha opinião, não é todo livro que comporta ser reescrito sob dois pontos de vista. A série de E.L. James já tinha causado o furor que precisava, mas acho que ficar insistindo em uma mesma história pra sempre é um pouco demais.

 

Totalmente desnecessário ter uma capa igual à original.

Essa eu vou ficar devendo. Sinceramente eu não consegui pensar em nenhuma para este tópico.

 

Totalmente desnecessário ter um triângulo amoroso.

Por mais que eu ame Jogos Vorazes, o mi-mi-mi da Katniss me incomoda profundamente. Um triângulo amoroso sem fundamento algum, porque convenhamos: uma garota tão forte como ela, se enrola no próprio joguinho…faça-me o favor! Vai pra guerra, menina! Bora lutar!

 

Totalmente desnecessário ter esse livro adicionado à serie.

De verdade, eu colocaria aqui vários livros que são séries desnecessariamente. Acho que esta história de séries de livros me deixa um pouco com preguiça, porque muitos autores acabam enrolando muito a história que poderia ser contada em um ou dois livros… então, vou acabar sem citar essa categoria também.

 

Totalmente desnecessário ter um cliffhanger.

Aqui é bom explicar pra quem não sabe, que Cliffhanger, um artifício que os autores usam ao final de seus livros, trazendo um acontecimento incrível que faz com que o leitor fique ávido para ler o próximo volume.

Silo é um livro incrível, na minha opinião. Mas, de verdade, a história estava tão amarradinha que era desnecessário o cliffhanger, principalmente pelo fato de que o segundo livro da série conta o que vem antes dos Silos, não sendo necessariamente uma continuação.

Leia a resenha de Silo, de Hugh Howey.

 

Totalmente desnecessário ter somente um ponto de vista.

Aqui vou chutar o balde: Dom Casmurro.

É fato que existe um livro publicado, que reconta a história de Machado pela Ótica de Capitu. Em Capitu, Memórias Póstumas, o autor Domício Proença Filho reconta o romance de Machado sobre o ponto de vista da enigmática Capitu. Mas queria mesmo é saber qual o rumo que Machado queria ter dado para Capitu, sem todas as dúvidas que temos até hoje sobre ela.

 

Totalmente desnecessário ficar comparando um livro com outro.

Olha, até eu fiz a comparação porque realmente o enredo tem bastante em comum. Mas a escrita das duas autoras é muito diferente e, apesar da semelhança de características dos personagens principais, a construção destes é bem diferente.

 

 

Totalmente desnecessário ter lido.

A Evolução de Calpúrnia Tate foi um livro que me empolguei bastante no início, mas de verdade, me acrescentou muito pouco.

Leia a resenha de A evolução de Calpúrnia Tate, de Jacqueline Kelly.

 

Totalmente desnecessária toda a hype.

Todos os livros do John Green. Fãs que me desculpem, mas realmente não consegui – e não foi por falta de esforço – e acho que não são tão maravilhosos como dizem. Barulho demais pra pouco livro.

Não vou indicar amiguinhos, mas se quiserem responder, adoraria ver a resposta. E quem comentar pode dizer também sobre algum livro desnecessário na vida, que tal?

Até a próxima.

*.*

 

Comentários

Comentários

2 Comments

  • comment-avatar
    Tony Lucas 3 de julho de 2017 (00:27)

    Oi, MaH! Tudo bem? Adorei a tag e concordo com algumas escolhas suas (Depois de Você, Grey…). Esse pessoal ama fazer coisa desnecessária! hahaha

    Abraço

    http://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    • comment-avatar
      Marina Herrador 4 de julho de 2017 (14:46)

      Pois é, Tony. Desnecessário é o melhor termo par alguns livros, infelizmente.
      *.*