Primeiras impressões: The Gifted

Ao longo de mais de 10 anos fomos apresentados à uma franquia cinematográfica onde os heróis com mutação genética eram perseguidos por serem diferentes do restante da população. Aos longo dos filmes, acompanhamos os heróis na busca pela salvação do mundo e da perseguição e reafirmação de identidade  da raça mutante.

Sabe-se da cronologia confusa que o diretor Bryan Singer criou para os filmes, com direito a reboot e novos filmes a caminho. Após Logan , na minha opinião um dos melhores filmes de super herói feitos até hoje, vimos um futuro sem os X-Men e não sabemos o que realmente aconteceu com a equipe do Professor Xavier.

The Gifted surge não só numa cronologia diferente da utilizada nos cinemas, como também não possui a necessidade de utilizar de seus acontecimentos, possui uma narrativa própria, apresentando personagens interessantes, relações estabelecidas e uma trama que promete ser intensa e com assuntos poucos explorados no cinema que tinham grande enfoque nas histórias das HQs.

Dirigida por Bryan Singer, a série traz a história do casal Catlin e Reed Strucker que após um incidente no baile do colégio, descobrem que seus filhos, Andy e Lauren, são mutantes. Em um universo após o desaparecimento da Irmandade e dos X-Men, em que leis contra pessoas com habilidades são mais rigorosas, a família Strucker precisa de uma Resistência Mutante, e entre eles estão o Marcos Diaz, mais conhecido como Eclipse, Lorna Dane – a mutante Polaris, John Proudstar, o Thunderbird e Blink .

 

♦ O ELENCO

 

A escolha do elenco é uma grata surpresa, não só pelo bom uso de cada personagem, como também pelo entrosamento de cada núcleo. Destaque em especial para a Família Strucker, onde temos Stephen Moyer (True Blood), como o pai Reed Strucker, o homem que trabalha a frente da iniciativa contra mutantes e que se vê as voltas com a descoberta dos poderes mutantes dos filhos. Do outro lado, temos Amy Acker (Person of Interest), no papel da mãe, Caitlin Strucker, que nos entrega a força de uma mãe zelosa para com seus filhos e que fará de tudo para protege-los.

Falando dos filhos, temos Natalie Alan Lind, como Lauren, a filha que já mantém um certo controle sobre seus poderes de projeção de campos de força, e, o caçula, o jovem Andy, interpretado por Percy Hynes White, que após ataques de valentões, acaba demonstrando toda sua força destrutiva, causando grandes impactos no colégio, e acaba sendo chamado de Ato Terrorista Mutante.

As personagens da Resistência Mutante têm pouco de seus potencial apresentado na tela, mas acredito que ao longo da temporada os veremos mais, aproveitando-se da utilização dos efeitos especiais que podemos dizer que estão muito bons, como também presença de diálogos que expõem a atual situação de medo e perseguição sofridos pelos mutantes.

A mitologia desenvolvida na série é a de que o gene mutante se manifesta durante a puberdade, ou seja, na adolescência, momento de grande agitação hormonal, e com isto, acredito que a abordagem da relação entre os irmãos Strucker deverá ser bem explorada, pois caberá a Lauren auxiliar Andy em seu desenvolvimento e controle dos poderes, tendo em vista que o real motivo para ativação dos poderes foram as memórias de ódio e sofrimento que o jovem rapaz sofreu.

 

♦ EPISÓDIO DE ESTREIA

 

Um dos pontos altos do episódio de estreia é um dialogo entre mãe e filho, onde ela os questiona sobre o porque de não terem contado quem eles realmente eram, com a resposta de que pessoas como eles eram presos por ser quem são. É uma realidade opressora, repleta de preconceito e medo, algo que infelizmente fala diretamente com a comunidade LGBT+, da nossa sociedade atual. Intrinsecamente, The Gifted traz o debate de temas relevantes para sociedade através de seu roteiro, algo que enriquece ainda mais a série.

Em suma, o primeiro episódio da série apresentou personagens interessantes, efeitos especiais agradáveis e uma trama que promete ser intensa, algo que pode agradar não só os fãs de X-Men, como também aqueles que não são. Por fim a série  abordará questões sociais e políticas, sem deixar de agradar o fãs de HQs, com pequenos easter-eggs, como por exemplo: a presença do ilustre Stan Lee, o toque de telefone com a temática da série dos anos 90 e a aparição dos sentinelas, como uma força policial, o Sentinela Service.

The Gifted acaba de estrear aqui no Brasil e é exibido pelo canal FX, às terças-feiras às 22h30.

 

Comentários

Comentários

No Comments